terça-feira, 9 de janeiro de 2018

O Genocídio Alemão - Crimes de Guerra contra a Alemanha pós-45


Em 1938 Hitler foi considerado o homem do ano pela Time Magazine por ter retirado a Alemanha do caos político, social e economico que se encontrava desde 1918.

Com o crescimento economico da Alemanha, ingleses propunham o boicote de produtos alemães com a frase: "Don´t buy German Goods" (Não compre produtos alemães)



Você já ouviu falar de filmes como: A lista de Schindler, Resgate do soldado Ryan, O Pianista, O menino de pijama listrado? Neles se reconstrói a vitória aliada como o bem vencendo o mal absoluto. Mas você já ouviu fala de um longa filmado em 2008 chamado Anonyma?

Ao final da Segunda Guerra Mundial a Europa explode em euforia. Por todo canto vê-se pessoas comemorando em Paris, Praga, Londres.

Entretanto, há mais de 6 milhões de alemães como prisioneiros de guerra dos aliados e um país de 60 milhões de habitantes completamente derrotado, sem qualquer força aérea que pudesse protege-lo.

Estima-se que ocorreram 2 milhões de estupros na Alemanha, muitos deles coletivos. Crianças eram vistas vagando sem responsáveis por todos os lados. Mulheres imploravam pela morte enquanto viam a fila de estupradores aumentar.

O leste europeu: Polônia, Bulgária, Tcheco eslováquia, Romênia e Iugoslávia expulsam seus imigrantes alemães, tenham eles chegado há décadas ou nos últimos anos em seus países. De 45-47 12 milhões de germânicos expulsos do Leste convergem para a Alemanha.

Descendentes de alemães eram obrigados a andar com a suástica nas costas ou uma faixa branca nos braços. Eram proibidos de andar em parques, cinemas, teatros e tinham toque de recolher. Eram responsabilizados por qualquer tragédia que ocorresse.

Tem uma cena famosa na qual civis germânicos são obrigados a ir para a lateral da estrada próximo a Praga. Um caminhão militar passa e atropela todos.

Engraçado que o extermínio étnico foi comum após a derrota nazista. Poloneses matavam suas minorias ucranianas, e na Ucrânia ocorria o mesmo com poloneses. Na Iugoslávia Marechal Tito assassina as minorias croatas que colaboraram com os nazistas.

6 milhões de prisioneiros de guerra foram utilizados como trabalhadores escravos para "pagar" os estragos da guerra.

Mais de 1 milhão de prisioneiros alemães morreram nos campos soviéticos.


Hitler poupou cidades históricas dos bombardeiros. Os aliados bombardearam tudo, com bombas explosivas e, quando bombeiros e socorristas agiam, com bombas incendiarias. Em alguns abrigos, ao invés de corpos, encontrava-se um metro de uma gordura negra disforme. Os corpos derreteram com calor que chegava a 823 graus. Bombardear Dresden, que não tinha nenhuma indústria, nenhum batalhão, mas era rica em museus e palácios mostrava o ódio contra o alemão comum. Entre 250 a 400 mil pessoas morreram nesse dia, algumas presas no asfalto derretido, outras estilhaçadas pelas bombas. É difícil precisar pois alguns corpos derreteram até nada sobrar.


Os bombardeios contra a Alemanha derrotada eram um ataque contra a  própria dignidade humana dos vencedores. Muitos dos pilotos da RAF mostravam-se contra o revanchismo de Churchill, mas era considerado crime de traição contra a pátria criticar os bombardeios. Os bombardeios não encontravam qualquer resistência, a Luftwaffe tinha sido completamente obliterada, era uma guerra covarde, um genocídio sem precedentes. Afinal, não existia nenhuma força de socorro aos alemães. Os mortos em Dresden superam os mortos em Hiroshima e Nagasaki somados.


Qualquer coisa que se movesse em solo era alvo dos aliados. Dos animais do zoológico até as vacas que pastavam no interior eram fuziladas. Produzia-se um deserto estéril por toda parte.

Panfletos eram lançados no front oriental, escritos por Ilya Ehrenburg, incentivando o exército vermelho a tomar pessoas como prêmio de guerra: "destrua o orgulho da mulher alemã usando-a como sua vitorioso soldado do exército vermelho". "Você está em território alemão, a hora da vingança chegou!". 

Na medida em que a Wehrmacht recuava e os gritos de investidas soviéticas avançavam a população civil era envolvida em uma nuvem de horror absoluta. 

A convenção de Genebra foi ignorada no oriente, e no ocidente, na maior parte das vezes era letra morta.  Eisenhower, futuro presidente dos EUA, permitiu que Berlim fosse dominada pelos soviéticos. O tratamento dado aos prisioneiros desobedeciam os princípios básicos de Genebra. Há suspeitas de que George Patton, general americano, foi assassinado por criticar a conduta de Eisenhower com relação aos prisioneiros e ao conluio com os soviéticos. 

http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/northamerica/usa/3869117/General-George-S.-Patton-was-assassinated-to-silence-his-criticism-of-allied-war-leaders-claims-new-book.html

Em campos de trabalho forçado, dos Gulags soviéticos da Sibéria, aos campos na França e na Inglaterra, ao êxodo e perseguição no leste europeu milhões de alemães foram cruelmente espancados, assassinados, estuprados, trucidados pelos "aliados da liberdade"

Não se nega o holocausto judeu promovido pelos nazistas. Mas sobre ele há filmes, documentários, livros didáticos, reproduzidos à exaustão. Por outro lado, o holocausto que recaiu sobre os alemães pós-45 é quase que totalmente ignorado.

Cidadãos eram compelidos a preencher extensivos relatórios sobre suas atividades durante a guerra. Helene Bertha Amalie Riefenstahl, mais conhecida como Leni Riefenstahl, famosa cineasta alemã, foi presa inúmeras vezes. 

Durante o julgamento de Nuremberg, no qual os nazistas eram justificadamente julgados por seus crimes, tropas soviéticas e aliadas cometiam, sob uma cortina de ferro de silêncio, seus próprios crimes contra uma população alemã massacrada. Nenhuma força internacional protestou contra esse massacre. 

Boa parte do Plano Morgenthau estava sendo aplicado. Nas palavras de Goebbels eles queriam: "privar a Alemanha de seu orgulho privando seus cidadãos da indústria e transformando o país em um enorme campo de batatas." (O Plano foi divulgado em 1944)



Propagandas podem ser encontradas no youtube aconselhado os soldados aliados a não se solidarizarem com os germânicos, mas a desconfiarem deles. 

No leste a URSS se apoderava de partes da Polônia e, o povo polonês, por sua vez, apoderou-se de parte da Alemanha obrigando milhões de alemães a iniciarem uma marcha da morte pelo inverno país adentro. Na media em que se locomoviam despidos de todos os seus bens, os poloneses os agrediam de todas as formas: cusparadas na cara, tapas, paneladas, as garotas mais bonitas dos 8 aos 50 anos retidas como escravas sexuais. Dos 11 milhões desabrigados pelo avanço polonês, estima-se que pelo menos 2 milhões de pessoas morreram no caminho. 

Sem qualquer distinção entre culpados e inocentes os eslavos desproviam os alemães de sua terra ocupada há mais de 700 anos.

Morreram mais alemães em 2 anos de "paz" do que nos 6 anos de conflito armado. 


Mas os vencedores não foram submetidos a julgamentos grandiosos reproduzidos em todas as tvs do mundo, não receberam uma campanha de vilanização que perdura até os dias atuais (até traficantes do Rio de Janeiro chamam seus inimigos de "alemão" sem saber por quê), e ninguém, absolutamente ninguém, se opôs ao massacre do povo alemão.

Há produções ainda incipientes que buscam dar conta dos horrores que varreram a Alemanha há apenas duas gerações. 

  • HellStorm é um documentário que busca trazer luz sobre esses horrores.
  • Anonyma longa de 2008 conta como mulheres buscavam sobreviver contra as atrocidades cometidas pelo Exército Vermelho em Berlim. 

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Guerra do Paraguai

Paraguai possuía entre 500 mil pessoas. Estima-se que 60% dela, sobretudo homens maiores de 20 anos, tenham morrido pela guerra ou por consequência dela. Morreram, estima-se 300 mil pessoas.

O Brasil com 9 milhões de pessoas perdeu 75.000 soldados, ou seja 0,84% da população.

Na pratica foi uma resposta desmedida do Brasil contra a ousadia de um presidente de um país agrário, que voltou de sua temporada na Europa com ideias expancionistas.

O Cabo Francisco Lacerda, conhecido sob a alcunha de Chico Diabo, acerta a virilha de Solano Lopes.

A pior consequência foi que os militares acabaram por destituir o imperador Pedro II do poder em 1889.